sábado, 25 de setembro de 2010

Tardar


Tardar


O meu tempo para refletir

Não é o mesmo do agir

Agir que desperta, e há de vir

No tempo certo, insisto; certo.


Ansiedade que corrói, dói

Que dá clorofila a esperança

Alimenta o futuro, satisfaz o presente

Presenteia um tempo que não volta mais


Segundos para uns, milênios para outrem

Quero ter a percepção de tempo de uma criança

Que se confunde na periodicidade dos fatos

Mas, que se recorda com empolgação ao contá-los


Evito contabilizar os dias

Tenho pavor de contagens regressivas

Prefiro atrasar meu envelhecimento vivendo,

Sem mais tardar o perdão, sem mais tardar o amor.



suezoribeiro ,



5 comentários:

J. Valentin disse...

Poxa, adorei!

"Quero ter a percepção de tempo de uma criança
Que se confunde na periodicidade dos fatos
Mas, que se recorda com empolgação ao contá-los."

Parabéns Rodrigo, curti demais o blog! =D
To seeguiindo.

Bruna Fávaro disse...

Suezo..
Lindas palavras.
Admirei.:)

Ersa de Manaus disse...

Muito bonito! Parabéns!

Descanso da Alma disse...

Cara, eu ouvi uma música ao fundo, tão bela e tão marcante.

Lendo este belíssimo poema ouvindo Faltando um Pedaço do Djavan, acreditaria se te disser que encaixou direitinho na melodia?

Eu fiquei assoviando este rio em verso.

Jander disse...

Parabéns mano,

Postar um comentário