terça-feira, 7 de setembro de 2010

Vento vente nas ventas


Vento vente nas ventas


Vento frio que me envolve despido,

Vento insípido que alucina meu paladar vespertino,

Vento, vento, vem tocar-me, ventocou

Poético, sublime, invisível és


Liberta-me dos meus pensamentos corriqueiros

Faz-me rodopiar no campo, mesmo que não seja tão verdejante

Entenda-me que, a minha alegria vem de quem te criou

E faça com que cada dia o mundo inteiro saiba disso


A tua suavidade me faz ter a velha certeza,

A tua certeza me faz ter uma nova atitude,

Atitude essa que me fez ter uma nova vida

Vida em que posso ser livre


Não um Deus-Vento, mas, com certeza

Deus do vento, do mar, do sol

E todas as coisas, Ele criou, e pode usá-las

Para mostrar-me Sua infinita glória.



suezoribeiro ,





2 comentários:

Marcelo Carrero disse...

Belissimo post! Poesia que me falta ao ver os dias passarem tão rapido ultimamente... Obrigado por me ajudar a parar e refletir! Abraço!

Nyna Segato disse...

"Será que é tempo
Que lhe falta para perceber?
Será que temos esse tempo
Para perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara..."

E nós perdemos tanto tempo imersos na rotina que esquecemos de contemplar a vida e a presença de Deus em toda a sua maravilhosa criação!

Postar um comentário